Refrativa

A Revolução dos Lasers na Oftalmologia

A tecnologia é fundamental para todas as áreas da medicina e a Oftalmologia se destaca por ter sido pioneira como especialidade médica a utilizar o laser com objetivo terapêutico A primeira utilização prática de lasers na Oftalmologia ocorreu no início dos anos 1980. Desde então, se tornou um procedimento amplamente utilizado, e essas aplicações determinaram uma diminuição significativa na necessidade de intervenções intraoculares que são inquestionavelmente mais traumáticas e com maior risco. Os lasers estão em constante e rápida evolução, o que possibilita aplicações diagnósticas e terapêuticas cada vez mais precisas e eficazes.

Refrativa

Com o passar do tempo, os lasers foram aprimorados e introduzidos cada vez mais em um mercado de crescimento rápido e competitivo, no qual as grandes empresas ligadas à Oftalmologia estão bem representadas. Desde então, observou-se importante evolução nos chamados lasers de femtossegundo, o que se reflete na taxa de repetição, no controle da energia e na capacidade de programar cortes de forma mais versátil na córnea. Com esta progressão estrutural, outras aplicações para cirurgia de córnea vêm aumentando a capacidade de aplicação do laser de femtossegundo.

Uma nova técnica para correção de miopia e astigmatismo foi desenvolvida na Alemanha e já está amplamente difundida no mundo, com mais de 500 mil cirurgias realizadas com sucesso. Esta técnica chegou ao Brasil em 2014 e consiste na aplicação do laser de femtossegundo VisuMax para realizar uma lentícula na córnea que será removida por uma incisão menor que 3 milímetros. Com isso a cirurgia é menos invasiva comparando-se com outros procedimentos. O novo procedimento possibilita uma recuperação visual mais rápida e com menos desconforto.

Portanto, o laser de femtossegundo tem promovido uma revolução para a cirurgia de córnea e segmento anterior. Diversas aplicações têm sido exploradas com esta tecnologia que está em constante e acelerada evolução.

Confira o artigo completo do Dr. Renato Ambrósio Jr clicando aqui.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer participar da discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *