Making the most of diagnostic technology toolkit

Reviewed by Renato Ambrósio Jr., MD, PhD

Abstract / Synopsis: 

Refractive surgeons must understand the arsenal of diagnostic technology available to them as well as how and when to use it for their patients, according to Renato Ambrósio Jr., MD, PhD.

https://www.ophthalmologytimes.com/refractive-surgery/making-most-diagnostic-technology-toolkit

Careful preoperative evaluation can help ophthalmologists boost patient satisfaction by improving surgical outcomes and avoiding many of the potential complications of refractive surgery. Preoperative assessment must include understanding and proper counseling of patients as well as provide a comprehensive evaluation for planning the procedure and screening for potential complications, said Renato Ambrósio Jr., MD, PhD.

“Listen to patients’ needs, motivations, and expectations to understand why they have come to refractive surgery, and what they expect from it,” said Dr. Ambrósio, adjunct professor of ophthalmology, Federal University of the State of Rio de Janeiro (UNIRIO), and director of refractive surgery, VisareRIO, Rio de Janeiro, Brazil.

“In addition, imaging has revolutionized our ability to screen, plan, and evaluate the results of refractive procedures, gaining fundamental relevance in the preoperative workup,” he said.

Diving deeper

The list of diagnostic technologies is long and growing, starting from classic slit lamp biomicroscopy with digital documentation, central corneal thickness, and Placido’s disk-based topography.

Scheimpflug tomography provides a three-dimensional picture of the cornea, an imaging technique distinct from front-surface topography as well as from segmental tomography by OCT. Very high-frequency ultrasound provides epithelial thickness mapping. Proper nomenclature is essential to distinguish technologies.

In addition, ocular wavefront, ocular scattering evaluation, novel ocular surface imaging with meibomiography, IOP, corneal biomechanical assessment, confocal, and specular microscopy are available. Molecular biology and genetics are moving toward practical applications for patient evaluation.

Every refractive surgeon must understand this arsenal as well as how and when to use it for patients, he noted.

“We have to understand if the candidate presents for elective refractive surgery, or if the case requires a therapeutic appoach1,” Dr. Ambrósio said. “If the treatment is done on the cornea, should it be a phakic IOL or crystalline lens surgery? If the patient is a candidate for corneal laser-vision correction, is it best to do LASIK, SMILE, or PRK?”

It is important to recognize the complications to be avoided and how to identify the cases at higher risk, Dr. Ambrósio added.

“We have to know our ourselves and our tests and the conditions we have to identify,” he said. Ectasia, or keratectasia, is a rare but very serious complication of laser-vision correction.

Ectasia has three primary roots:

  • the innate structure and biomechanical properties of the cornea,
  • the impact from the surgery on the cornea, and
  • postoperative trauma, most often due to eye rubbing.

Key to prevention is understanding the pathophysiology of ectasia to assess the individual risk of biomechanical decompensation, he said.

“The literature recognizes forme fruste keratoconus as the major risk factor for ectasia, but the reality is that any cornea can develop ectasia,” Dr. Ambrósio said. “All it takes is the unfortunate combination of corneal structure, surgical impact, and mechanical trauma, such as eye rubbing.”

Eye rubbing alone may trigger ectasia progression, and patients should be educated about it. While there is some divergence in the literature on what is fruste, or subclinical keratoconus, we have evolved from the ability to diagnose very mild disease with normal slit lamp and good visual acuity toward the characterization of the susceptibility for ectasia development.

ry eye, ocular surface

Dry eye is another contribution to patient dissatisfaction. Patients asking for refractive surgery correction typically opt for surgery because they are, or have become, intolerant of contact lenses, which is commonly associated with some degree of tear dysfunction.

Ocular surface evaluation has evolved including non-invasive break-up time, meibomian gland imaging, and tear osmolarity. Patient education and ocular surface optimization should enhance chance of success for these cases.5

The goal is to optimize the chance of success, which, intimately, is related to patient satisfaction and safety, he said. Refractive surgeons must be conscious of the opportunities and rationale for a proper preoperative assessment in order to minimize complications and maximize outcomes.

Dr. Ambrósio’s group recently published2,3 a novel tomographic assessment of ectasia risk using artificial intelligence based on Pentacam data. The resulting Pentacam Random Forest Index (PRFI) yielded ectasia diagnosis with 94.3% sensitivity and 98.8% specificity.2

Integrating Scheimpflug tomography and biomechanics yielded a Tomographic and Biomechanical Index (TBI) that significantly augments sensitivity for ectasia diagnosis.

The original study found the TBI has 90.4% sensitivity with 96% specificity,3 compared with 79% sensitivity of the BAD-D, he noted. Dr. Ambrósio added that further improvements are possible along with the inclusion of extra data such as epithelial thickness from segmental or layered tomography to further enhance accuracy.4

Artificial intelligence could also integrate corneal data with the impact from the procedure.

“The Enhanced Ectasia Susceptibility Score (EESS) conjugates the data from the cornea— such as tomography and biomechanics along with age and the impact from the refractive surgery—to estimate a risk,” Dr. Ambrósio said. “The risk is never zero, but should be acceptable and we have to understand it.”

Some patients may better qualify for a procedure according to the corneal impact, he noted.

“SMILE has a corneal-weakening factor which is between LASIK and PRK,” he said. “That is not to say that SMILE or any other procedure is better than the others, but we can find the best procedure for each case. This is truly customization to optimize surgical outcomes.”

Disclosures: 

Renato Ambrósio Jr., MD, PhD
E: [email protected]
This article was adapted from Dr. Ambrósio’s presentation during Refractive Surgery Subspecialty Day at the 2018 meeting of the American Academy of Ophthalmology. He is a consultant to Alcon Laboratories, Carl Zeiss Meditec, and Oculus.References: 

1. Ambrósio Jr., Renato. Therapeutic refractive surgery: why we should differentiate? Revista Brasileira de Oftalmologia. 2013;72:85-86. https://dx.doi. org/10.1590/S0034-72802013000200002.

2. Lopes BT, Ramos IC, Salomão MQ, Guerra FP, Schallhorn SC, Schallhorn JM, Vinciguerra R, Vinciguerra P, Price FW Jr, Price MO, Reinstein DZ, Archer TJ, Belin MW, Machado AP, Ambrósio R Jr. Enhanced tomographic assessment to detect corneal ectasia based on artificial intelligence. Am J Ophthalmol. 2018;195:223-232. doi: 10.1016/j. ajo.2018.08.005. Epub 2018 Aug 9. PubMed PMID: 30098348.

3. Ambrósio R Jr, Lopes BT, Faria-Correia F, Salomão MQ, Bühren J, Roberts CJ, Elsheikh A, Vinciguerra R, Vinciguerra P. Integration of Scheimpflug-based corneal tomography and biomechanical assessments for enhancing ectasia detection. J Refract Surg. 2017;33:434-443. doi: 10.3928/1081597X- 20170426-02. PubMed PMID: 28681902.

4. Salomão MQ, Hofling-Lima AL, Lopes BT, Canedo ALC, Dawson DG, Carneiro-Freitas R, Ambrósio R Jr. Role of the corneal epithelium measurements in keratorefractive surgery. Curr Opin Ophthalmol. 2017;28:326-336. doi: 10.1097/ ICU.0000000000000379. Review. PubMed PMID: 28399067.

5. Ambrósio R Jr, Tervo T, Wilson SE. LASIKassociated dry eye and neurotrophic epitheliopathy: pathophysiology and strategies for prevention and treatment. J Refract Surg. 2008;24:396-407. doi: 10.3928/1081597X-2008040114. Review. PubMed PMID: 18500091.

Síndrome do Olho Seco: Saiba tudo e o tratamento que chegou ao Rio de Janeiro, pela VisareRio

Dr. Renato Ambrosio Jr., sempre um visionário, trouxe para a VisareRio o aparelho E-EYE IRPL.

A Dra. Faride Tanos, expert no tratamento do Olho Seco, será a responsável pelo E-EYE IRPL na nossa clínica que atenderá todo o Estado do RJ, com a tecnologia IRPL. Sucesso!

O modo de vida contemporâneo, que inclui o uso constante de computadores e aparelhos eletrônicos portáteis como o smartphone, tem sido uma das principais causas da síndrome do olho seco. Além disso, a exposição prolongada a ambientes refrigerados por ar-condicionado, principalmente nos dias quentes de verão, pode ser um gatilho para o problema.

— Esses aparelhos reduzem a frequência da piscadela, o que faz com que a lágrima não seja espalhada corretamente sobre a superfície do olho, que acaba ficando seco. Além das telas eletrônicas, temos uma condição ambiental denominada ambiente hostil, que é caracterizado pelo excesso de iluminação e pela exposição constante a luz, o que é possível encontrar nos locais em que passamos a maior parte do tempo. Esses cenários são capazes de estimular o olho seco, pois quando há umidade relativa baixa, nossa lágrima é evaporada ainda mais rapidamente — diz Pedro Antonio Nogueira Filho, médico oftalmologista e especialista em córnea e superfície ocular do Hospital de Olhos.

Os sintomas do olho seco são sensação de peso nas pálpebras; olhos vermelhos; ardor e irritação nos olhos; sensação de areia; desconforto e cansaço visual; e visão turva, que melhora após fechar os olhos. Se um desses sinais for constante na rotina diária, recomenda-se procurar um oftalmologista.

O diagnóstico é feito por meio da avaliação clínica do médico, baseada nas queixas do paciente. Exames oftalmológicos complementares podem ser pedidos.

— A primeira etapa de tratamento é com o lubrificante feito com lágrimas artificiais. A nutrição também ajuda, recomendo sempre uma dieta rica em ômega 3. E temos tratado o olho seco evaporativo com a luz pulsada intensa regulada, que é uma novidade — diz Renato Ambrósio, membro do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO).

O especialista reforça que não se deve coçar os olhos, já que as mãos podem estar sujas e causar alguma infecção, assim como provocar lesões, pois a região está mais frágil.

https://extra.globo.com/noticias/saude-e-ciencia/casos-de-sindrome-do-olho-seco-crescem-durante-verao-entenda-motivo-23482694.html?fbclid=IwAR1IiRnvfj3fMvmeZ49JQoIr7ToeoPjcsbWCjM2UZdM4IMtcQ_B_FiENWEM

Oftalmologista ipanema

Dr.Renato Ambrósio Jr. recebe o “Prêmio dos Fundadores da ISRS”

Honra por suas contribuições para o crescimento e avanço da Sociedade


Com um extenso currículo, o oftalmologista Renato Ambrósio Jr. luta muito pela educação ao paciente, além de trazer um tratamento humanizado e ético para os dias atuais. Em Outubro deste ano, terá seu reconhecimento mundial, dentro da Cirurgia Refrativa, quando receberá o Prêmio dos Fundadores da Sociedade Internacional de Cirurgia Refrativa (ISRS), em Chicago, com sua missão de levar saúde aos olhos de muitos pacientes, além de colaborar com artigos, ensinamentos e muita ética em seu trabalho.

A ISRS, parceira da Academia Americana de Oftalmologia (AAO), é a principal organização mundial de cirurgiões refrativos do mundo. Atualiza seus membros e sociedade sobre os mais recentes desenvolvimentos clínicos e de pesquisa em cirurgia refrativa, córnea, catarata e lentes. Os membros pertencem a mais de 80 países, e se atualizam por meio de programas educacionais inovadores, revistas clínicas, boletins mensais e reuniões em todo o mundo. É uma organização verdadeiramente global, representante dos interesses e necessidades de cirurgiões refrativos em todo o mundo.

 A cada ano, a ISRS premia os membros por suas contribuições especiais, bem como por sua dedicação ao campo. O Prêmio dos Fundadores reconhece a visão e o espírito dos fundadores da Sociedade ao honrar um membro da ISRS que fez contribuições para o crescimento e avanço da Sociedade e sua missão.

Este ano, Ambrósio Jr foi reconhecido pela ISRS e será o premiado, que já tem em sua lista os maiores nomes da Oftamologia mundial:

2017: Dr. Daniel S. Durrie

2016: Dr. J. Bradley Randleman

2015: Dr. Ronald R. Krueger

2014: Dr. Sonia Yoo

2013: Dr. Vikentia Katsanevaki

2012: Dr. Alaa M. ElDanasoury

A premiação será em Chicago, durante o Dia da Subespecialidade da Cirurgia Refrativa da AAO, a Reunião Anual da ISRS, em 26 de outubro.

Fonte: Universo Visual

2018: O ano de um dos maiores oftamologistas do Brasil, o Dr. Renato Ambrósio Jr. -Carioca e Influenciador da educação ao paciente

2018: O ano de um dos maiores oftamologistas do Brasil, o Dr. Renato Ambrósio Jr. -Carioca e Influenciador da educação ao paciente – InfoMoney

 

O Oftamologista e Professor,  Dr. Renato Ambrósio Jr. está entre os 100 mais influentes do mundo em 2018 pela Power List, da Revista inglesa “The Oftamologist”. A Power List 2018 é feita por votação dos leitores e inclui cirurgiões, cientistas, engenheiros e CEOs que participam do mundo da oftalmologia. A lista é feita a cada dois anos desde 2014. Em todas as edições, pela terceira vez consecutiva, tivemos o Brasil representado pelo Dr. Renato Ambrósio Jr.

Com mais de 350 publicações científicas e mais de 50 premiações no Brasil e no mundo, Dr. Renato hoje atua como diretor de Córnea e Cirurgia Refrativa no Instituto de Olhos Renato Ambrósio, além de fazer parte do corpo docente dos cursos de Pós-graduação (latu sensu) em Oftalmologia da PUC-RJ e da Sociedade Brasileira de Oftalmologia, atuando nas áreas de córnea e cirurgia refrativa. Desde 2011, ele também é professor afiliado da Pós-graduação (stricto sensu) em Oftalmologia da UNIFESP. Recentemente foi aprovado como Professor Adjunto de Oftalmologia da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio).

Em Julho de 2018, foi lançada, oficialmente, a campanha Violet June idealizada pelo Dr. Renato. Esta tem o objetivo de promover conscientização sobre o ceratocone e se estenderá até 10 de novembro, quando é celebrado o dia mundial de Ceratocone pela organização americana, NKCF (National Keratoconus Foundation). Destaca-se o slogan da campanha: “Não coce ou esfregue os olhos. Este ato prejudica a visão!” A campanha foi aderida por clínicas e oftamologistas de todo o Brasil e outros países como EUA, Itália, Portugal, França e Argentina e conta com apoio de instituições como a CBO, SBOe SBAO, bem como de empresas como a ZEISS e HEMISFÉRIO ÓPTICO. Enquanto a a campanha ainda está crescendo, podemos destacar algumas ações como o lançamento de um livro para crianças e leigos: “Tenho Ceratocone, E agora?!

Com um currículo invejável, o médico carioca Renato Ambrósio Jr. se mantém motivado e dedicado para trabalhar com o objetivo de ajudar o paciente iniciando-se com a sua adequada orientação e educação. “Acredito que a falta de orientação adequada pode ser tão prejudicial, ou mesmo pior que a doença para o paciente.” De fato, a Medicina carece de um tratamento humanizado e ético para os dias atuais. Difícil de se ver hoje em dia na área de saúde.

Ainda neste ano, em Outubro, ele terá seu reconhecimento mundial dentro da Cirurgia Refrativa quando receberá o Prêmio dos Fundadores da ISRS em Chicago durante a reunião anual da Academia Americana de Oftalmologia.

A Sociedade Internacional de Cirurgia Refrativa (ISRS) é principal organização mundial de cirurgiões refrativos. Seus valores são inovação, educação e ética em cirurgia refrativa, a subespecialidade da oftalmologia que trata das cirurgias para reduzir a dependência de óculos ou lentes de contato com o objetivo melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

A ISRS é uma organização verdadeiramente global muito ativa em atualizar seus membros sobre os mais recentes desenvolvimentos clínicos e de pesquisa em cirurgia refrativa, córnea e catarata. Entre seus  membros estão os principais cirurgiões refrativos do mundo que estão conectados em mais de 80 países por meio de programas educacionais inovadores, revistas clínicas, boletins mensais e reuniões em todo o mundo.

A cada ano, a ISRS premia os membros por suas contribuições para a comunidade e dedicação na área. O Prêmio dos Fundadores reconhece a visão e o espírito dos fundadores da Sociedade ao honrar um membro da ISRS que fez contribuições extraordinárias para o crescimento e avanço da Sociedade e sua missão. Este ano de 2018 o Professor Renato Ambrósio Jr. foi escolhido para compor a lista abaixo, que inclui nomes dos maiores especialistas da Oftamologia mundial:

2017: Dr. Daniel S. Durrie

2016: Dr. J. Bradley Randleman

2015: Dr. Ronald R. Krueger

2014: Dr. Sonia Yoo

2013: Dr. Vikentia Katsanevaki

2012: Dr. Alaa M. ElDanasoury

A premiação ao Dr. Renato Ambrósio Jr. será em Chicago na sexta-feira, 26 de outubro, durante o Dia da Subespecialidade de Cirurgia Refrativa da AAO que é a Reunião Anual da ISRS.

 

 

 

Veja mais em: https://www.infomoney.com.br/mercados/noticias-by-prnewswire/noticia/7516818/2018-ano-dos-maiores-oftamologistas-brasil-renato-ambrosio-carioca-influenciador

Violet June – Campanha de Conscientização sobre Ceratocone – Início em Junho

CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE CERATOCONE

 

“Não coce os olhos! O ato de coçar prejudica a visão, mas a má informação prejudica muito mais!” O diagnóstico de Ceratocone pode ser devastador para o paciente e toda a sua família devido à falta de orientação. Entretanto, a educação para promover o conhecimento e e a tomada de consciência do público não médico sobre a doença, são aspectos fundamentais, pois podemos ajudar verdadeiramente o paciente dentro dos primórdios básicos da prática da Medicina.

As estatísticas clássicas da literatura especializada reportam a incidência de 1 caso para cada 2.000 pessoas (0,05%). Entretanto, esta incidência parece ser bem maior se aplicarmos estudos de screening, chegando a 6% de pessoas com interesse em realizar Cirurgia Refrativa.

“Curar algumas vezes, aliviar o sofrimento sempre que possível, confortar sempre…” Dr. Oliver Wendell Holmes (1809 – 1894).

A campanha consiste na realização de ações voluntárias com o objetivo de divulgação sobre a doença do CERATOCONE, para educar a população, destacando-se o fato de que coçar e esfregar os olhos pode prejudicar e muito a visão.

Ainda que, a má informação sobre o assunto possa agravar o sofrimento do paciente e de seus familiares, o que ainda, prejudica mais a doença, devemos considerar a realidade preocupante de aumento do Ceratocone em todas as idades. Idealizada pelo Dr. Renato Ambrósio Jr, oftalmologista do Rio de Janeiro especializado em Córnea e Cirurgia Refrativa, mas, com a PARTICIPAÇÃO EFETIVA de muitos profissionais da saúde, como: a Zeiss e a Hemisfério Óptico, nossos apoiadores e parceiros, instituições como: SBAO, SBO e CBO, numa grande campanha de saúde educacional, com o objetivo de educar a população com o ato simples de não coçar os olhos, pois evita o agravamento desta e de outras doenças, principalmente, ensinando as crianças desde pequenas a não coçar, há já, uma comoção diante desta campanha tão elucidativa.

Com o apelido de Violet June, a campanha será realizada a médio prazo com muitas ações pelo Brasil, iniciando agora em junho, e será de prevenção e conscientização, com palestras abertas ao público, caminhadas de conscientização em Outubro, lançamento do livro: Tenho Ceratocone: E agora?, que ocorrerá em Agosto, e fechamos em Novembro, dia 10, onde se comemora o Dia Internacional dos Portadores de Ceratocone.

Mas, o que é o Ceratocone?

O Ceratocone é uma doença da córnea tipo ectasia, na qual a córnea aumenta sua curvatura de forma irregular e assume formato de cone. Esta alteração causa astigmatismo com irregularidade, o que leva a distorção das imagens e determina limitação para a eficiência das lentes esfero-cilíndricas de óculos.

Apesar do Ceratocone poder levar a uma acentuada perda de visão, raramente leva a cegueira. Ocorre por perda da rigidez do estroma da córnea, num processo de falência biomecânica que cursa com afinamento e protrusão da região central ou para-central.

A doença é bilateral (acomete ambos os olhos) e tem caráter progressivo, porém é comum haver assimetria entre os olhos (um dos olhos ser mais acometido). Inicia-se geralmente na adolescência, afeta um pouco mais as mulheres do que os homens, e evolui geralmente até 30 ou 35 anos, quando geralmente ocorre uma estabilização natural.

Violete-se! Dê educação consciente ao seu paciente!

 

Serviços: Site: www.tudosobreceratocone.com.br /

Face: https://www.facebook.com/violetjunecampanhaceratocone/

Insta: @visarerio