Nota: Dr. Renato Ambrósio Jr. e Dr. Damien Gatinel juntos na Campanha Violet June

Nota

Acontece, em 15 de Junho, em Barcelona, um encontro muito importante para nossa campanha: Dr. Damien Gatinel e Dr. Renato Ambrósio Jr, estão juntos,  na reunião de usuários do Wave light e, desta forma, também, intensificando entre os presentes, grandes discussões sobre o avançado de cirurgia refração e, ainda, divulgando nossa Campanha Violet June

Violte-se você também!

Entrevista no Sem Censura sobre a Campanha Violet June em dia 04 de Junho

Saúde, literatura, educação financeira e música foram os temas do #SemCensura do dia (4/6).

De volta das férias, Vera Barroso conversa com a jornalista  o oftalmologista Renato Ambrósio Júnior que falou sobre sobre a campanha ‘Não coce olhos’, que ajuda a prevenir  ‘Ceratocone’, doença que afeta as córneas

Veja toda a entrevista no link abaixo:

https://www.facebook.com/semcensuratv/videos/1667770903342

Saúde, literatura, educação financeira e música são temas do #SemCensura desta segunda-feira (4/6).De volta das férias, Vera Barroso conversa com a jornalista e youtuber Nathalia Arcuri, criadora do primeiro canal de entretenimento financeiro do país, o Me poupe; o oftalmologista Renato Ambrósio Júnior fala sobre a campanha 'Não coce olhos', que ajuda a prevenir a 'Ceratocone', doença que afeta as córneas; o ator, diretor e escritor Roberto Frota comemora 50 anos de carreira com o lançamento de seu romance policial 'Mão de flor'; e o maestro e percussionista Celso Alvim cria oficinas de percussão e reedita o arraiá do Monobloco Oficial. Participe desse bate-papo!

Publicado por Sem Censura em Segunda, 4 de junho de 2018

820/

Violet June – Campanha de Conscientização sobre Ceratocone – Início em Junho

CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE CERATOCONE

 

“Não coce os olhos! O ato de coçar prejudica a visão, mas a má informação prejudica muito mais!” O diagnóstico de Ceratocone pode ser devastador para o paciente e toda a sua família devido à falta de orientação. Entretanto, a educação para promover o conhecimento e e a tomada de consciência do público não médico sobre a doença, são aspectos fundamentais, pois podemos ajudar verdadeiramente o paciente dentro dos primórdios básicos da prática da Medicina.

As estatísticas clássicas da literatura especializada reportam a incidência de 1 caso para cada 2.000 pessoas (0,05%). Entretanto, esta incidência parece ser bem maior se aplicarmos estudos de screening, chegando a 6% de pessoas com interesse em realizar Cirurgia Refrativa.

“Curar algumas vezes, aliviar o sofrimento sempre que possível, confortar sempre…” Dr. Oliver Wendell Holmes (1809 – 1894).

A campanha consiste na realização de ações voluntárias com o objetivo de divulgação sobre a doença do CERATOCONE, para educar a população, destacando-se o fato de que coçar e esfregar os olhos pode prejudicar e muito a visão.

Ainda que, a má informação sobre o assunto possa agravar o sofrimento do paciente e de seus familiares, o que ainda, prejudica mais a doença, devemos considerar a realidade preocupante de aumento do Ceratocone em todas as idades. Idealizada pelo Dr. Renato Ambrósio Jr, oftalmologista do Rio de Janeiro especializado em Córnea e Cirurgia Refrativa, mas, com a PARTICIPAÇÃO EFETIVA de muitos profissionais da saúde, como: a Zeiss e a Hemisfério Óptico, nossos apoiadores e parceiros, instituições como: SBAO, SBO e CBO, numa grande campanha de saúde educacional, com o objetivo de educar a população com o ato simples de não coçar os olhos, pois evita o agravamento desta e de outras doenças, principalmente, ensinando as crianças desde pequenas a não coçar, há já, uma comoção diante desta campanha tão elucidativa.

Com o apelido de Violet June, a campanha será realizada a médio prazo com muitas ações pelo Brasil, iniciando agora em junho, e será de prevenção e conscientização, com palestras abertas ao público, caminhadas de conscientização em Outubro, lançamento do livro: Tenho Ceratocone: E agora?, que ocorrerá em Agosto, e fechamos em Novembro, dia 10, onde se comemora o Dia Internacional dos Portadores de Ceratocone.

Mas, o que é o Ceratocone?

O Ceratocone é uma doença da córnea tipo ectasia, na qual a córnea aumenta sua curvatura de forma irregular e assume formato de cone. Esta alteração causa astigmatismo com irregularidade, o que leva a distorção das imagens e determina limitação para a eficiência das lentes esfero-cilíndricas de óculos.

Apesar do Ceratocone poder levar a uma acentuada perda de visão, raramente leva a cegueira. Ocorre por perda da rigidez do estroma da córnea, num processo de falência biomecânica que cursa com afinamento e protrusão da região central ou para-central.

A doença é bilateral (acomete ambos os olhos) e tem caráter progressivo, porém é comum haver assimetria entre os olhos (um dos olhos ser mais acometido). Inicia-se geralmente na adolescência, afeta um pouco mais as mulheres do que os homens, e evolui geralmente até 30 ou 35 anos, quando geralmente ocorre uma estabilização natural.

Violete-se! Dê educação consciente ao seu paciente!

 

Serviços: Site: www.tudosobreceratocone.com.br /

Face: https://www.facebook.com/violetjunecampanhaceratocone/

Insta: @visarerio

Como Identificar Risco de Ectasia Progressiva em Pacientes com Indicação de Correção Visual a Laser?

A ectasia progressiva da córnea é uma complicação grave, e devemos considerar sua prevenção como a melhor estratégia. Ocorre por uma combinação entre a resistência da córnea no pré-operatório, o impacto da cirurgia e o estresse sobre a córnea no pós-operatório. Portanto, a abordagem para avaliação do risco para ectasia deve compreender as características da córnea no pré-operatório de modo a identificar o procedimento mais seguro para cada paciente. Os estudos topográfico (curvatura da superfície) e tomográfico (geometria 3D) devem ser realizados de forma consciente pelo cirurgião. Adicionalmente, a caracterização biomecânica pode trazer informações importantes.http://genmedicina.com.br/2016/09/14/como-identificar-risco-de-ectasia-progressiva-em-pacientes-com-indicacao-de-correcao-visual-a-laser/

Com incidência estimada em torno de 0,5% dos pacientes submetidos a LASIK (laser-assisted in situ keratomileusis), a ectasia ocorre basicamente em três situações distintas (Quadro 1)

 

Houve grande desenvolvimento na tecnologia de diagnóstico para caracterização da córnea no pré-operatório. Destacam-se os trabalhos que realizamos com base na tomografia de córnea. Esta deve ser bem compreendida pelo cirurgião refrativo, que tem o desafio diário de identificar casos com alta suscetibilidade para ectasia.

A sensibilidade para detectar casos de risco deve ser balanceada com a especificidade para que a cirurgia possa melhorar a qualidade de vida dos pacientes de forma segura.

Todo este conhecimento pode também ser aplicado para elevar o nível de eficiência das cirurgias de correção visual a laser na córnea. A personalização da cirurgia refrativa, portanto, ganha mais um item de requinte.

 

Mais informações em:

Ambrósio R Jr, Nogueira LP, Caldas DL et al. Evaluation of corneal shape and biomechanics before LASIK. Int Ophthalmol Clin. 2011; 51(2):11-38. Disponível em: http://www.pentacam.com/downloads/artikel/2011-IIO_200328_2.pdf.

 

Oftalmologista ipanema

Entrevista concedida para o Eyechannel: Pela 3ª vez consecutiva, Dr. Renato Ambrósio Jr. é indicado a Power List 2018

Foi divulgada nesta quinta-feira, dia 05 de abril, pela revista inglesa “The Ophthalmologist” a lista das 100 pessoas mais influentes do mundo da oftalmologia. A Power List 2018 inclui cirurgiões, cientistas, engenheiros e CEOs, que tiveram seus trabalhos destacados durante todo ano, e pela terceira vez consecutiva tivemos o Brasil representado pelo Dr. Renato Ambrósio Jr.

Com mais de 350 publicações científicas e mais de 50 premiações no Brasil e no mundo, Dr. Renato hoje atua como diretor de Córnea e Cirurgia Refrativa no Instituto de Olhos Renato Ambrósio, além de fazer parte do corpo docente dos cursos de Pós-graduação (latu sensu) em Oftalmologia da PUC-RJ e da Sociedade Brasileira de Oftalmologia, atuando como professor de córnea e cirurgia refrativa. Desde 2011, ele também é professor associado da Pós-graduação (stricto sensu) em Oftalmologia da UNIFESP. Recentemente foi aprovado como Professor de Oftalmologia da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio).

O Dr Renato Ambrósio Jr gentilmente conversou com o Eye Channel:

Eye Channel: O que representa para o senhor estar novamente entre os 100 mais influentes na Oftalmologia mundial?

Dr Renato Ambrósio Jr.: “ Fiquei muito contente e honrado em estar presente nesta lista. Esse reconhecimento motiva a continuar trabalhando de forma honesta e dedicada para ajudar os meus pacientes e tentar contribuir para a oftalmologia brasileira. Essa lista é feita por votação dos leitores dessa revista inglesa, sendo bastante rigorosa em seus critérios de votação. Na primeira vez, em 2014, fiquei listado em 11º lugar, não conhecia a revista que era relativamente nova. Fiquei muito feliz em saber que meu nome estava novamente na lista este ano.”

Eye Channel: Quais são seus próximos planos e desejos para o futuro?

Dr Renato Ambrosio Jr: “Sobre os meus planos e desejos: gostaria de ter um país melhor para as minhas filhas e gerações futuras. Tento fazer minha parte e colaborar na minha área.”

Foi a terceira vez que a revista inglesa The Ophthalmologist fez o mapeamento das 100 pessoas mais influentes do mundo na Oftalmologia. A lista é aberta e é feita por votação na internet pelos leitores da revista que se distribuem em todo o mundo. A lista inclui oftalmologistas clínicos, cirurgiões, cientistas, engenheiros e até CEOs relacionados com mundo da Oftalmologia. Enquanto qualquer lista como esta pode ser questionada quanto à sua validade e representatividade, Mark Hillen, editor-chefe da revista e idealizador da Power List coloca: “Percebemos que nossas Power Lists nunca serão definitivas. Mas quem pode argumentar que estes nomes, alguns novos e outros já familiares, não destacam o brilhantismo e a diversidade encontrados nesta especialidade fantástica, sendo 100 motivos de orgulho para a Oftalmologia mundial?”

Observamos uma disseminação global dos membros da lista na Figura 1. Quase metade vem dos EUA e quase quatro em dez da Europa (embora o status dos 16 por cento do Reino Unido como “europeus” possa ser debatido em breve). Se calcularmos o índice de listados per capita, os três primeiros países seriam Suíça, Cingapura e Reino Unido.

A Oftalmologia do Brasil se faz presente em todas as edições desta lista no nome do Prof. Renato Ambrósio Jr, que ficou em 11º lugar em 2014 e se manteve entre os cem nas listas de 2016 e 2018. Prof. Renato é filho de dois oftalmologistas, o saudoso Renato Ambrósio, fundador e segundo presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Refrativa e Vera Martins Ambrósio, com quem trabalha junto com seu irmão, também oftalmologista especializado em Retina e Vítreo no Instituto de Olhos Renato Ambrósio no Rio de Janeiro. Casado com a também oftalmologista Renata Siqueira, eles têm duas lindas filhas, Giovanna e Rafaella, que completarão 4 e 3 anos este ano.

O site Eye Channel gostaria de parabenizar o Dr Renato Ambrósio Jr. por toda sua dedicação e competência profissional, e por integrar a Power List 2018.

Leia a matéria completa aqui: http://eyechannel.com.br/ela-3a-vez-consecutiva-dr-renato-ambrosio-jr-e-indicado-power-list-2018/

Welcome to The Power List 2018 – Dr. Renato Ambrósio Jr.está entre os 100 mais influentes do mundo

Dr. Renato Ambrósio Jr., indicado pela terceira vez consecutiva como um dos cem mais influentes do mundo  na área de oftamologia, é especialista em Ceratocone. Essa listagem que saiu ontem, 04 de abril de 2018, traz 100 motivos para nos orgulharmos da área de oftamologia e, nosso querido Dr. Renato está entre cirurgiões, cientistas, engenheiros e outras tantas funções, um dos médicos aftalmos mais importantes do mundo.  (Leia na Íntegra)   https://theophthalmologist.com/power-list/2018/

O Dr. Renato Ambrósio Jr. traz um orgulho enorme para a VisareRio, além de seus parceiros, clientes e amigos, por: Ser carioca, ser humanizado e possuir uma enorme empatia na educação da saúde de seus pacientes, tratando a todos com muito carinho e dedicação.

Em breve, estaremos lançando a campanha: Não Coce seu olho, o ato de coçar prejudica a visão!

Desejamos parabéns a todos desta Power List 2018, mas, em especial, ao Dr. Renato Ambrósio Jr. e sua competente maneira de usar sua profissão em prol dos que precisam.

Flávio Canto ensina suas técnicas de Jiu-Jitsu seminário beneficente com a participação do Dr. Renato Ambrósio Jr. estará presente

04/04/2018    |    Escrito por: Graciemag Newsroom

 

Em ação solidária, o astro do judô e fera do Jiu-Jitsu Flávio Canto estará hoje, sexta-feira, dia 6 de abril, ministrando um aulão beneficente em prol do atleta Ramon Alves Teixeira. O evento será realizado no AR Dojô, no Clube Monte Líbano, às 20h.

Medalhista olímpico e apresentador do canal Combate, Flávio Canto entra como peça fundamental na arrecadação de fundos para ajudar o jovem Ramon, já que o valor das inscrições será integralmente revertido para ajudar o atleta de 13 anos, aluno do professor Renato Lima (GFTeam). Ramon adora competir, mas precisa realizar um caro tratamento da Ceratocone, uma gravíssima doença degenerativa nos olhos. É preciso confeccionar lentes especiais para que ele continue a praticar Jiu-Jitsu, minimize os riscos de ele ficar cego e tenha uma melhoria na qualidade de vida.

Além de ajudar a viabilizar o tratamento e instruir outros atletas, que tem a mesma doença que ele, o oftalmologista responsável pelo tratamento, o Dr. Renato Ambrósio Jr., que é faixa-preta de Jiu-Jitsu da Gracie Humaitá e um dos maiores especialistas do mundo nessa doença, estará presente para dar as informações necessárias.

“Ações como essa dão sentido à nossa vida e ajudam a transformar nosso esporte em um instrumento de saúde, educação e integração social”, diz Cleiber Maia, presidente da SJJSAF e idealizador do movimento.

A Graciemag e a Flashsport apoiam a causa, e a Rede Globo estará lá para fazer uma matéria sobre esse movimento solidário da nossa comunidade esportiva.

A reserva deve ser feita pelo WhatsApp 21-99907-8480 (Felipe Araújo) e tem o valor de 40 reais, lembrando que toda a renda será revertida ao tratamento de Ramon. O endereço é Av. Borges de Medeiros, 701 – Leblon, Rio de Janeiro. O chek0in será às 19h, para pegar a pulseira de acesso.

Tratamento do Ceratocone: importância da orientação para não coçar os olhos

Artigos Científicos

Por Dr. Renato Ambrósio Jr. – Os últimos 30 anos foram marcados por significativos avanços relacionados ao advento da Cirurgia Refrativa como a subespecialidade que estuda as alternativas cirúrgicas para redução da dependência de correção por óculos ou lentes de contato. Entretanto, o diagnóstico, o tratamento clínico e o cirúrgico de diversas doenças da córnea melhoraram em função desta acelerada e constante evolução. Destaca-se o ceratocone e as doenças ectásicas da córnea, em que podemos atuar de forma cada vez mais eficiente para ajudar nossos pacientes.

Devemos destacar as diferenças fundamentais entre os tratamentos eletivos (não estéticos) com objetivo refrativo e os para reabilitação visual terapêutica de pacientes com doença na córnea. [1] Neste contexto, a educação dos pacientes e de seus familiares é parte fundamental para que seja possível conviverem melhor com a doença e também para manter as expectativas em relação aos tratamentos realistas. O site http://www.tudosobreceratocone.com.br foi criado com este objetivo.

Entretanto, uma mensagem não menos importante que pode trazer um grande impacto para reduzir a perda visual por ceratocone tem sido relativamente pouco explorada. Trata-se da educação dos pacientes sobre o risco relacionado ao hábito de coçar os olhos. Desde esta primeira descrição da doença, o aumento de curvatura, o afinamento e a possível perda de transparência da córnea já eram descritos em função do enfraquecimento desta devido a fatores genéticos e ambientais. [2]

De fato, muitos destes conceitos básicos já conhecidos há mais de 160 anos foram validados de acordo com o consenso global realizado em 2014. [3] Nesse consenso, destaca-se a unanimidade sobre a concordância de que o hábito de coçar os olhos agrava a doença e aumenta as chances de progressão com consequente piora da visão. Adicionalmente, foi consenso que o trauma contínuo relacionado com este péssimo hábito pode até mesmo determinar uma descompensação biomecânica e a evolução ectásica em pacientes sem a doença primária.

Enquanto é um desafio que está sendo vencido como resultado dos avanços relacionados com os exames complementares de imagem da córnea, não restam dúvidas que o hábito de coçar os olhos faz mal e deve ser evitado. Além desta informação tão importante e útil para a educação dos pacientes, foi consenso que as lentes de contato não trazem, infelizmente, o benefício de estabilizar a doença. De fato, houve concordância de que as lentes, quando menos bem adaptadas podem agravar a ectasia, e por isso devem ser bem adaptadas, o que também inclui adequada orientação ao paciente. [3]

A literatura sobre ceratocone aumenta de forma exponencial e já existem mais de 100 artigos que apontam relação entre coçar os olhos e as doenças ectásicas: o especialista francês Damien Gatinel a levanta como questão fundamental (https://www.gatinel.com/2016/07/eye-rubbing-a-sine-qua-nonfor-keratoconus/). Enquanto a afirmação sine qua non pode ser um relativo exagero, preferimos manter a hipótese de dois eventos (two-hits) descrita por McGhee. [4]

De fato, a severidade do ceratocone já fora relacionada com a mão dominante, [5-8] bem como o hábito de coçar os olhos descrito como possível causa de doença unilateral. [9-11] Tal consideração não deve contrastar com o entendimento de que ceratocone é uma doença assimétrica e bilateral, pois também foi consenso que ectasia secundária a causas mecânicas pode ocorrer de forma unilateral e em qualquer córnea.[3] Nesse sentido, elaboramos que a ectasia ocorre por uma falência da resistência biomecânica da córnea, o que está relacionado com a estrutura da córnea e o trauma do ambiente, sendo fundamental a caracterização da susceptibilidade para evolução ectásica. [12]

Avanços no diagnóstico do ceratocone com base nos exames complementares, que devem ser realizados de forma consciente, nos possibilitam este nível de detalhamento. Destaca-se a integração da tomografia da córnea com o estudo biomecânico com imagens de Scheimpflug, em que foi demonstrado aumentar a acurácia para detectar casos leves ou subclínicos. [13]

Enquanto novos estudos devem ser realizados no sentido de se determinar o papel destes dados para a decisão clínica em tratar com cross-linking, mesmo antes de documentação da progressão ectásica, [4,14] sugerimos uma campanha global com o objetivo de alertar sobre os riscos em se coçar os olhos. Com isso, além do tratamento para controle da alergia ocular e otimização da sua superfície, devemos orientar os pacientes sobre o péssimo hábito de coçar os olhos, que não apenas causa e agrava o ceratocone, como pode causar problemas na retina e também agravar glaucoma.

Esta é uma campanha simples, que deve ser global, como publicado na The Ophthalmologist [15] e na Oftalmologia em Foco [16], que tarda mas não deve falhar em prevenir a perda visual. Por que não aderir?

Referências

1 – Ambrósio Jr. R. Cirurgia refrativa terapêutica: por que diferenciar? Revista Brasileira de Oftalmologia. 2013;72:85-6.

2 – Gokul A, Patel DV, McGhee CN. Dr John Nottingham’s 1854 Landmark Treatise on Conical Cornea Considered in the Context of the Current Knowledge of Keratoconus. Cornea. 2016;35:673-8.

3 – Gomes JA, Tan D, Rapuano CJ, et al. Global consensus on keratoconus and ectatic diseases. Cornea. 2015;34:359-69.

4 – McGhee CN, Kim BZ, Wilson PJ. Contemporary Treatment Paradigms in Keratoconus. Cornea. 2015;34 Suppl 10:S16-23.

5 – McMonnies CW, Boneham GC. Keratoconus, allergy, itch, eye-rubbing and hand-dominance. Clin Exp Optom. 2003;86:376-84.

6 – Jafri B, Lichter H, Stulting RD. Asymmetric keratoconus attributed to eye rubbing. Cornea.

2004;23:560-4.

7 – Zadnik K, Steger-May K, Fink BA, et al. Between-eye asymmetry in keratoconus. Cornea.

2002;21:671-9.

8 – Krachmer JH, Feder RS, Belin MW. Keratoconus and related nonin_ammatory corneal thinning disorders. Surv Ophthalmol. 1984;28:293-322.

9 – Phillips AJ. Can true monocular keratoconus occur? Clin Exp Optom. 2003;86:399-402.

Krachmer JH. Eye rubbing can cause keratoconus. Cornea. 2004;23:539-40.

10 – Ioannidis AS, Speedwell L, Nischal KK. Unilateral keratoconus in a child with chronic and persistente eye rubbing. Am J Ophthalmol. 2005;139:356-7.

11 – Ambrósio R, Jr., Ramos I, Lopes B, et al. Ectasia susceptibility before laser vision correction. J Cataract Refract Surg. 2015;41:1335-6.

12 – Ambrósio R, Jr., Lopes BT, Faria-Correia F, et al. Integration of Scheimp_ug-Based Corneal

Tomography and Biomechanical Assessments for Enhancing Ectasia Detection. J Refract Surg.

2017;33:434-43.

13 – Knutsson KA, Paganoni G, Matuska S, et al. Corneal collagen cross-linking in paediatric patients affected by keratoconus. Br J Ophthalmol. 2017.

14 – da Paz AC, Bersanetti PA, Salomao MQ, Ambrósio R, Jr., Schor P. Theoretical basis, laboratory evidence, and clinical research of chemical surgery of the cornea: cross-linking. J Ophthalmol.

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4151584/pdf/JOPH2014-890823.pdf

15 – Ambrósio Jr R. Don’t Rub Your Eyes! The Ophthalmologist. Dez 2017. https://theophthalmologist.com/issues/1217/dont-rub-your-eyes/.

16 – Ambrósio Jr R. Coçar os Olhos faz Ma. Oftalmologia em Foco. Jan 2018. 171: 14-15.

Leia o Artigo na Íntegra: http://genmedicina.com.br/2018/03/29/tratamento-do-ceratocone-importancia-da-orientacao-para-nao-cocar-os-olhos-dr-renato-ambrosio-junior/

cirurgia refrativa

Descobrindo a cirurgia refrativa

No Brasil, mais de 35 milhões de pessoas, ou cerca de19% da população do país enfrenta algum tipo de problema de visão. Portanto, fica evidente que um número considerável dos brasileiros e brasileiras precisa recorrer a algum tratamento para corrigir estes problemas e, geralmente, recorrem ao uso de óculos e lentes de contato. Certamente todas elas gostariam de solucionar os problemas de visão sem precisar usar lentes corretivas. Apesar disso, ainda é comum encontrar pacientes com algum tipo de receio de se submeter a um procedimento cirúrgico para resolver essas questões, seja por sentir medo de ser algo muito invasivo ou doloroso, ou até mesmo por não saberem que alguns desses procedimentos são realizados de maneira simples e rápida, como é o caso da cirurgia refrativa.

A cirurgia refrativa é uma das cirurgias dos olhos mais conhecidas dentro da oftalmologia, pois consegue solucionar problemas refrativos muito comuns e conhecidos como miopia, hipermetropia, astigmatismo e a presbiopia (vista cansada). O mais interessante desse procedimento é que ele não exige de nenhum tipo de internação do paciente porque ele é feito com um aparelho a laser extremamente moderno que emite raios ultravioletas que modificam a superfície da córnea de maneira bastante sutil, alterando a sua curvatura para conseguir realizar a correção dos erros refrativos mencionados anteriormente. Por essa razão, o processo de cicatrização ocorre de maneira bem mais rápida e é possível retomar as atividades normalmente dentro de um curtíssimo espaço de tempo.

Para realizar esse procedimento, diferentes técnicas cirúrgicas foram desenvolvidas ao longo do tempo. Cada uma delas é específica e indicada para cada paciente, de acordo com a necessidade individual de cada pessoa. Portanto, é essencial ter o acompanhamento de um oftalmologista especialista para que seja feita uma avaliação completa com o objetivo de identificar a técnica mais apropriada ao paciente.