Disfunção Lacrimal, a Síndrome do Olho Seco: um problema comum

As queixas relacionadas com o ressecamento dos olhos estão entre as mais frequentes dos pacientes no dia-a-dia da prática oftalmológica. Entre estas queixas estão sensação de ardor, cansaço visual, dificuldade em enxergar, vermelhidão e até mesmo dor ocular. Tais sintomas podem prejudicar a qualidade de vida do paciente e alterar a capacidade de trabalho. Trata-se de uma doença multifatorial com deficiência do filme lacrimal na superfície ocular, que resulta em dano à superfície ocular e inflamação da superfi-cie ocular.

A síndrome do olho seco tam-bém pode ser denominada como disfunção lacrimal, termo que traz denominação melhor, pois, paradoxalmente, muitas vezes está associada com lacrimejamento. Não existe ainda um exame diag-nóstico considerado como ‘padrão ouro’ ou definitivo, sendo a atenção aos sintomas dos pacientes fundamental. Diferentes testes podem ser usados no diagnóstico e graduação da gravidade do olho seco incluindo questionários (para quantificar as queixas), teste de Schinner, tempo de rotura do filme 0 el lacrimal e corantes da superfície ocular. O uso da topografia para avaliação do filme lacrimal possibilita avaliação da qualidade do filme lacrimal.

Entretanto alguns sistemas como o Keratograph colorido possibilitam a ava-liação dinâmica de modo a gerar mapas de cores que representam o tempo e localização da instabilidade do filme lacrimal. Todo paciente deve estar orientado que não há cura, mas que pode melhorar a sua qualidade de vida e conforto e reduzir as complicações. Organizações não governamentais, como a APOS (Associação dos Portadores de Olho Seco) foram criadas com esse objetivo.Entre os avanços no tratamento destaca-se a suplementação nutricional com ácidos gordurosos essenciais tipo Ômega 3, presentes nos óleos de linhaça e de peixe. Agentes anti-inflamatórios e inunomoduladores também têm seu papel definido. Entretanto, o tratamento deve ser feito de acordo com a gravidade e com fatores causais de cada caso, sendo fluidamental acompanhamento médico es-pecializado com oftalmologista.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer participar da discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × 1 =