Falando sobre Ceratocone

O ceratocone é uma doença provocada pela dilatação anormal da córnea, que expande sua curvatura de forma irregular e assume formato de cone. Em média, a distorção da córnea tem início na adolescência, afetando mais as mulheres do que os homens, e evolui até cerca de 30 ou 35 anos, época em que ocorre estabilização natural do quadro. O ceratocone poder levar a uma acentuada perda de visão, provocando o astigmatismo com irregularidade, que faz com que a pessoa enxergue com distorção e também determina limitação para a eficácia das lentes esfero-cilíndricas de óculos. Apesar destes transtornos, a doença raramente provoca a cegueira. Estamos falando de um problema bilateral, ou seja, que ocorre simultaneamente nos dois olhos e tem características progressivas. Apesar disso, não é incomum que um dos olhos sofra mais a mudança na córnea, de maneira assimétrica. Para diagnosticar o ceratocone é preciso realizar exame oftalmológico completo, além de exames complementares para caracterização da córnea.

O principal sintoma do ceratocone é o embaçamento e distorção da visão. Como ocorre com outras doenças, o tratamento será realizado de acordo com o estágio de progressão, ressaltando detalhes como o grau de irregularidade na córnea e características particulares de cada paciente. Em estágios iniciais da doença, é possível que o uso de óculos possa restabelecer a visão de forma satisfatória sem influências na qualidade de vida. Já nas fases mais avançadas, com um quadro de maior progressão da irregularidade na córnea, os óculos não são capazes de prover uma solução. Assim, torna-se necessária a utilização de lentes de contato especiais. Em casos mais críticos em que nem mesmo óculos ou lentes especiais sejam capazes de equacionar o problema de visão, é indicado o tratamento cirúrgico.

Há seis procedimentos cirúrgicos para tratar o ceratocone de acordo com seu estágio de avanço: Transplante Penetrante de Córnea, Transplante Lamelar de Córnea, Implante de Segmento(s) de Anel Intra-corneano, Crosslinking do Colágeno, Ablação de Superfície Personalizada e Implante de Lente Intraocular (LIO) Fácica. Caso o paciente se encontre em um quadro muito avançado será necessária a realização do transplante de córnea. E o fato de ter realizado o transplante não significa que a doença não possa ocorrer novamente.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer participar da discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + sete =