cirurgia refrativa

Descobrindo a cirurgia refrativa

No Brasil, mais de 35 milhões de pessoas, ou cerca de19% da população do país enfrenta algum tipo de problema de visão. Portanto, fica evidente que um número considerável dos brasileiros e brasileiras precisa recorrer a algum tratamento para corrigir estes problemas e, geralmente, recorrem ao uso de óculos e lentes de contato. Certamente todas elas gostariam de solucionar os problemas de visão sem precisar usar lentes corretivas. Apesar disso, ainda é comum encontrar pacientes com algum tipo de receio de se submeter a um procedimento cirúrgico para resolver essas questões, seja por sentir medo de ser algo muito invasivo ou doloroso, ou até mesmo por não saberem que alguns desses procedimentos são realizados de maneira simples e rápida, como é o caso da cirurgia refrativa.

A cirurgia refrativa é uma das cirurgias dos olhos mais conhecidas dentro da oftalmologia, pois consegue solucionar problemas refrativos muito comuns e conhecidos como miopia, hipermetropia, astigmatismo e a presbiopia (vista cansada). O mais interessante desse procedimento é que ele não exige de nenhum tipo de internação do paciente porque ele é feito com um aparelho a laser extremamente moderno que emite raios ultravioletas que modificam a superfície da córnea de maneira bastante sutil, alterando a sua curvatura para conseguir realizar a correção dos erros refrativos mencionados anteriormente. Por essa razão, o processo de cicatrização ocorre de maneira bem mais rápida e é possível retomar as atividades normalmente dentro de um curtíssimo espaço de tempo.

Para realizar esse procedimento, diferentes técnicas cirúrgicas foram desenvolvidas ao longo do tempo. Cada uma delas é específica e indicada para cada paciente, de acordo com a necessidade individual de cada pessoa. Portanto, é essencial ter o acompanhamento de um oftalmologista especialista para que seja feita uma avaliação completa com o objetivo de identificar a técnica mais apropriada ao paciente.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer participar da discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 2 =